Trevo da Pérsia – Um nome, duas plantas distintas

O nome “Trevo da Pérsia” refere-se comummente a duas plantas distintas, o que pode levar a alguma confusão.

Na verdade, ambas as plantas são estrategicamente importantes, cada uma para seu nicho de utilização.

Passamos a explicar – O nome “Trevo da Pérsia” refere-se neste momento a duas espécies distintas, mas nem sempre foi assim. Antigamente eram ambos da espécie Trifolium resupinatum, diferindo apenas na subespécie. Hoje são normalmente consideradas duas espécies distintas: Trifolium resupinatum e Trifolium suaveolens.

Depois de várias alterações, hoje, o Trifolium resupinatum refere-se a um trevo anual com sementes duras, muito utilizado em prados permanentes de sequeiro, pela sua capacidade de ressementeira. Por outro lado, o Trifolium suaveolens é um trevo que não produz sementes duras, mas que possui uma maior capacidade de produção de biomassa com enorme valor alimentar, o que o torna num trevo de excelência para a produção de forragens de qualidade.

A FERTIPRADO tem desenvolvido ambas as espécies de Trevo da Pérsia – o Trifolium suaveolens e o Trifolium resupinatum, pelo seu enorme interesse para as pastagens de sequeiro, para as forragens, para os revestimentos do solo e para as interculturas. Neste momento a FERTIPRADO tem em desenvolvimento novas variedades destas duas espécies.

O responsável de marketing da FERTIPRADO explicou que “o chamado Trevo da Pérsia tem na verdade duas espécies distintas, ambas muito boas para diferentes usos: O Trifolium suaveolens é o trevo da pérsia mais produtivo, com uma capacidade de rebrote extraordinária e um valor alimentar impar”.

No entanto, esta espécie não tem (ou tem muito poucas) sementes duras, por isso não deve ser utilizado em pastagens permanentes. Mas, “pela sua qualidade alimentar, é um dos componentes mais importantes das misturas forrageiras da FERTIPRADO”.

No catálogo da FERTIPRADO, pode encontrar duas cultivares desta espécie leguminosa anual: a Resal e a Maral.

Já o Trifolium resupinatum, adianta José Freire, “não tem a capacidade produtiva do suaveolens, mas tem sementes duras, o que o torna um excelente componente para prados permanentes de sequeiro e para revestimentos”. Pela quantidade de sementes que produz, com diferentes graus de dureza, este é dos trevos aéreos que tem melhor persistência.

Desta leguminosa anual de ressementeira, a FERTIPRADO tem as cultivares Persian Prolific, Nitro + (variedade Seedmark) e Kyambro.

Alta palatibilidade e digestibilidade

O Trifolium suaveolens pode ser usado em pastoreio ou corte: é indicado para pastoreio direto, para produção de feno (extreme ou consociado com azevém ou aveia) e para feno-silagem ou silagem. Em qualquer das utilizações esta espécie apresenta elevados valores de palatibilidade e digestibilidade. Em feno apresenta valores de proteína bruta (16 a 21%) idênticos aos do feno da luzerna e valores de digestibilidade superiores (63 a 78% contra 60-70% para a luzerna).

Estas plantas têm enorme potencial quando corretamente misturadas com outras que as complementem. As suas sementes são de muito pequena dimensão, 1 kg chega a conter 1 200 000 sementes

Comentários (0)

Comente este artigo

Cotações